Você que me lê, me ajuda a nascer.

quinta-feira, setembro 20, 2012

Mapeamento inédito da Diáspora Africana.

A quem interessar possa:

Pesquisador da UnB produz mapeamento inédito da diáspora africana

Educadores passam a contar com nova representação dos deslocamentos africanos. Obra é resultado de 15 anos de pesquisa do professor do Departamento de Geografia Rafael Sanzio.



Luciana Barreto 

Da Secretaria de Comunicação


Brasil, o país com a maior costa voltada para a África e a parte da América mais influenciada pela presença africana, passa a contar agora com um amplo e inédito mapeamento dos deslocamentos desses povos durante quatro séculos de escravagismo e colonialismo. Quinze anos de pesquisa do professor do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília, Rafael Sanzio dos Anjos, resultaram no Mapa temático educacional: geopolítica da diáspora África – América – Brasil – séculos XV – XVI – XVII – XVIII – XIX: cartografia para educação. Seu grande objetivo é instrumentalizar o educador brasileiro para a compreensão do papel do tráfico negreiro, da escravidão e da diáspora africana na configuração do mundo contemporâneo. O mapa foi lançado nesta semana, por ocasião do colóquio de geopolítica ocorrido na Universidade.



O propósito desse mapeamento, segundo explica Rafael, é colaborar efetivamente no processo de valorização do continente africano e de explicação da formação territorial e populacional brasileira a partir desses grandes deslocamentos, que atravessaram quatro séculos. “O preconceito do brasileiro em relação aos africanos deriva, em grande parte, do desconhecimento de sua própria matriz geradora”, avalia. “Os brasileiros têm de conhecer – e reconhecer - a sua verdadeira origem. As matrizes africanas em nosso país carecem de bases informacionais diversas e variadas”, complementa.

EIXOS – O mapa temático, produto decorrente de estudos e levantamentos realizados no Centro de Cartografia Aplicada e Informação (CIGA) na UnB, traz a representação gráfica dos fluxos migratórios, apontando as direções e rotas dos movimentos territoriais que compreenderam diversos grupos humanos. “A cartografia reconstitui espacialmente os principais componentes da dinâmica do sistema escravista que provocou deslocamentos africanos seculares para várias partes do mundo, principalmente a América, o chamado Novo Mundo”, explica.

Os principais eixos que compõem o produto são os seguintes: as grandes unidades étnicas dos povos africanos, os sentidos desses deslocamentos para várias partes do mundo, referências dos principais portos e cidades que se estruturaram e enriqueceram com o tráfico negreiro. Integram ainda o mapa as representações dos movimentos de produtos tropicais e mercadorias envolvidas no que chama de “capitalismo brutal e primitivo”, as extensões dos espaços de importação forçada das populações africanas e, por fim, as organizações quilombolas e localidades com registro de resistência social ao sistema opressor.

TRÁFICO NEGREIRO - O tráfico de seres humanos para o outro lado do Atlântico foi, por séculos, uma das mais rentáveis atividades do mundo mercantilista, a ponto de se tornar impossível precisar o número exato de africanos que foram arrancados de seu habitat natural para servir de mão de obra forçada em outros continentes. Com essa reflexão, Sanzio reitera a necessidade de se compreender a realidade econômica, territorial e social brasileira a partir da matriz africana, que trouxe inegáveis contribuições nos mais diversos campos, como medicina, culinária, moda, arquitetura. “Por exemplo, de onde vem a tecnologia do tijolo de adobe, recurso tão usado em todo país?”, indaga.
O regresso de parcelas populacionais ao continente africano, após a abolição da escravatura, também é registrado no mapa. Para o pesquisador, “compor essa cartografia é importante para revelar aos educadores e formadores de opinião, especialmente professores de Geografia e História, a importância das nações africanas na formação do Brasil”. 
“Não podemos perder de vista que, entre os séculos 15 e 19, a África foi o centro do mundo nas articulações territoriais, econômicas e demográficas, e o Brasil, pela sua posição privilegiada no oceano Atlântico, detém os registros mais significativos em quase quatro séculos de dinâmica escravagista e colonial”, explica o professor.



O pesquisador acredita que seu trabalho, apoiado pela equipe do Centro de Cartografia Aplicada e Informação Geográfica da UnB, irá colaborar para “reverter a inferiorização que os africanos e afrodescentes sofrem em praticamente todos os espaços de convívio social”. Para ele, “é fundamental para a recomposição da identidade nacional brasileira”.
“Não precisamos ir longe, basta olharmos nossos livros didáticos para atestar como a representação do negro é falha e equivocada. Os afrobrasileiros e os povos africanos são ignorados sob a progressiva política de ocultamento e silenciamento da verdadeira história de nosso país”, afirma o pesquisador. “É uma negação sistemática de nossas origens e ancestralidades. Nosso trabalho cartográfico pretende justamente reverter isso. Esquecimento e invisibilidade só serão combatidos com valorização”.
OFICINAS – E para capacitar quem está na ponta do ensino, ou seja, instrumentalizar esses multiplicadores para a correta leitura e apreensão dos conteúdos no mapa, o CIGA promoveu dois dias de oficina. Participaram do treinamento professores, educadores e gestores que atuam na promoção da igualdade racional.
Para Vânia Souza, da secretaria de Educação do DF, “o próprio nome diáspora é interessante, não só por trazer um estranhamento inicial, mas por provocar reflexões. Esse mapa certamente dará suporte a muitas aulas na rede de ensino”. Segundo Rosivaldo Gomes, educador do Pará “em geral diáspora é algo associado apenas a judeus. Temos de desconstruir e deslocar também esse conceito. O mapeamento se somará ao esforço trazido pela lei 10.639, de 2003, que obriga o ensino da história e cultura da África, a qual não vem sendo cumprida”. A diretora do Museu da Abolição, em Recife, também destacou a importância estratégica da iniciativa em seu potencial de mudança cultural. De acordo com Cleison, professor de geografia e aluno de pós-graduação da UnB, “o mapa é o elemento que faltava. Até então só tínhamos contato com as temáticas de diásporas ligadas a judeus e europeus. Os materiais didáticos privilegiam a Europa centralizada e vêem a África apenas como oferta de mão de obra, ignorando as contribuições culturais verdadeiras”, avalia.
O produto cartográfico colorido em grande formato (1,20m x 1,74 m) está sendo vendido por R$ 100. Informações adicionais podem ser encontradas no site www.ciga.unb.br.


Extraído daqui.

Debates e perspectivas para a institucionalização da Lei número 10.639/2003.


sexta-feira, setembro 07, 2012

Mais do mesmo (ou Migh gosta de passado).


Quero falar de um homem.
Alguém me perguntou sobre ele este fim de semana. Lembrei dele. Aliás, nunca esqueci. Muitas coisas que tenho hoje vieram de um tempo em que estávamos juntos. Nunca ficamos juntos, mas ele me deu mais lembranças do que muitos homens que se disseram meus pela vida. Ele está por toda a minha casa. Nas pequenas e nas grandes coisas. Em cima e em baixo. Nas imagens também (e por trás delas). 

Senti vontade, liguei. Mandei sms. Ele está com outro alguém, disse-me que quer começar de novo. Eu fiquei feliz demais, desejei toda a sorte do mundo porque, pela primeira vez, depois que não estamos mais juntos, senti que ele realmente quer de novo, com alguém. Isso é, de verdade, muito bom.

Aqui dentro, o que sinto é um carinho descontrolado por ele. Emoção boba de ter sentido amor por muito tempo, dele por mim. Eu sempre tive certeza que ele me amou e, agora, por mais que pareça o momento mais bizarro para acreditar nisso, eu sinto ainda mais forte.

Ainda mais forte.

quinta-feira, setembro 06, 2012

Observando crianças.

Passei uma hora e meia no aeroporto de Congonhas, observando as crianças que trabalham como engraxates ali. O primeiro menino que reparei, negro, pediu um lanche. O casal olhou, olhou, respirou fundo. O moço levantou, foi até o caixa, pagou um lanche, alguma coisa para comer. Ele pediu algo para beber, o moço foi embora. Ficou pedindo para outro rapaz, este fingiu não ouvir. Ele saiu comendo o lanche, creio que não pudesse ficar por ali por muito tempo sem não estar engraxando. 

Observei depois, um menino branco fazendo o mesmo serviço. Ele conseguiu engraxar os sapatos (eu acho), e o rapaz, que esperava uma mulher, apresentou o garoto à ela, que o abraçou. O rapaz afagou sua cabeça. Ficaram alguns minutos conversando os três, animadamente. Ele tirou uma nota de vinte reais, alguns conselhos e saíram juntos, andando para o lado de fora do aeroporto. Neste papo, consegui pescar o homem dizendo a mulher: "Ele acertou minha idade, sabia?".

Para ser uma pesquisa, eu precisaria de mais tempo e de observar mais crianças. Mas, refletindo sobre o que aconteceu com estas duas, pergunto-me: Há diferença entre ser uma criança negra e uma criança branca engraxate? A criança branca pobre já percebeu isso, com dez ou onze anos, o capital racial que há em sua cor? 

Pode-se dizer que o rapaz branco já conhecia o menino branco e com ele tinha relação, visto que conversavam animadamente. Mas essa permissão de "fazer amizade" entre eles não me pareceu uma coisa possível com o menino negro. Questões.


Fonte: Internet

domingo, setembro 02, 2012