Você que me lê, me ajuda a nascer.

sábado, julho 14, 2012

Beije seu preto em público.



Uma semana e essa agonia. Entendi, enfim, o que me atormentava. Eu queria de novo aquela coisa da hora em que ele me segurou pela cintura no vagão do trem e me beijou. Eu flutuei, eu quase voei. Fiquei boba e queria repetir toda hora, mas ele estava falando algo muito sério, algo que eu estava prestando muita atenção e que, depois disso, passou a ser secundário (eu esperava entre um intervalo e outro a hora em que eu poderia me aproximar bem devagar do rosto dele e ele me pegar de novo, pela cintura, como ele tinha feito, sem avisar), mas que eu, muito fina, não deixei que ele percebesse. 

Aí lembrei que fazia muito tempo que eu fazia isso, namorar em público. Em parte porque sou uma chata de galochas e nunca gostei muito de agarra-agarra na frente de todo mundo. Sim, eu sou uma chata. Mas, dessa vez, nesse dia, eu senti que era o que eu precisava, e o que deve ser gostoso também num namoro, beijar o pretinho em público. Ser beijada. Agarrada. E as pessoas olhando, admirando nossas belezas pretas e cabelo e sorrisos e agarramentos no meio do trem. Isso também é bom, entre tantas outras coisas de um namoro.

Quando cheguei em casa, meus dois amigos hóspedes me disseram, de sopetão, sem terem combinado:


Nossa, você está linda!


Eu disse:


É amor!


Mas nem era. Era simpatia, quase amor. Era amor àquele momento em que ele pegou na minha cintura e me fez quase voar. Mas, acho que também tem muita responsabilidade nessa coisa toda. Você pode sentir prazer, quase amor, mas não pode se entregar. E não sei, talvez não esteja fazendo isso direito. 


Mas, encontro respostas conhecendo minha mãe. Ela é assim:

[...]
Nanã também tem relações com Xangô.

Outros tabus conservam igualmente características ameaçadoras ainda que veladas. 

Não gosta de homens, e é praticamente assexuada, possuindo grande capacidade de trabalho, é autossuficiente, tem hábitos austeros e intolerante a preguiça, falta de educação, desordem, desperdício.
[...]





3 comentários:

Daniela Gomes disse...

ai que texto bom MI, faz a gente sentir vontade de ser beijada em público. Ai ai to suspirando no sofá hehehehe

Migh Danae. disse...

Delícia!

Hanayrá Negreiros disse...

Também estou suspirando hehe...muito bom sentir isso e depois ficar lembrando.
Você conseguiu transpor em palavras o que também senti a pouco.