Você que me lê, me ajuda a nascer.

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Rita Batista estreia na BAND.


Desde o ano passado, assisto um programa chamado Boa Tarde Bahia todas as vezes que estou de volta para casa, em Salvador. De cara, adorei porque vi uma mulher negra apresentadora, com os cabelos naturais e um sorriso enorme. Minha mãe já era fã de carteirinha e quando eu ligava para ela, antes de chegar, ela me botava a par das últimas novidades que haviam sido feitas no programa, o que tinha sido mais interessante, o que ela mais tinha gostado. Atualizava-me das roupas e das palavras todas de Rita Batista e assim, eu morando em São Paulo, quando chegava à Salvador, já me sentia íntima da apresentadora.
Nós assistíamos juntas todas as vezes que eu estava em casa, ela ali no fogão preparando alguma coisa (pirão de leite, cozido, moqueca, vatapá, aquele feijão...) e eu ali do lado, sentindo o cheiro e prestando atenção em tudo.
Nos últimos dias do ano, fizemos o de sempre: ficamos ali vendo o programa, quando ouvi a notícia que Rita estava de malas prontas para São Paulo e iria estrear dia 09 de janeiro na BAND às 15:30 um programa fazendo trio com Adriane Galisteu e Lysandro Kapilla. Quase tenho um treco de felicidade. Felicidade e... não sei ao certo. Sei que gostava muito do programa de Rita em Salvador e sei que o que virá agora não será nada parecido com o que ela fazia. Mas sei também que Salvador e a BAND Bahia ficou pequena demais para ela. Como ela mesma escreveu em seu twitter

A Bahia já me deu, régua e compasso

Coisas que todas as baianas sentem quando saem de Salvador para correr mundo (mesmo sabendo que essa não é a primeira vez que a moça corre mundo. Ela já fez muita coisa em nível nacional). Sinto também, assim como senti que 2012 vai ser massa (aliás, ando sentindo coisa demais esse começo de ano!), que esse é só o começo de uma caminhada rumo a um monte de coisas boas que acontecerão com ela em 2012, 2013, 2014... porque ela é aquela pessoa de axé bom, de ginga certa, de sorriso que envolve, que emana energia.

Num país de pretas que a gente não vê na TV', Rita para mim é a esperança (a certeza!) que dias melhores virão.

E tenho dito.

Mais de Rita aqui. E aqui.

2 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, tive quase a MESMA reação que você! Não a conhecia antes dela estar na Band. Mas já fiquei mtoooo feliz por ser uma apresentadora negra, SIMPÁTICA, e com cada penteados afro MARAVILHOSOS! Haaaa, eu até me inspiro!

Isa Dora disse...

Eu sempre gostei da Rita, quando ela apresentava o jornal na TV Aratu. Gostava, justamente por ela ser o suprasumo da simpatia, e achava curioso ela não ter se rendido aos padrões estéticos que se cultua por aí.
Aí via ela apresentando coisas na band mesmo, inclusive no carnaval. Mas ficava retada, por aqui em casa não pega direito os canais locais, e aí cabou que eu nunca pude vê-la neste tal programa local. E depois que eu virei escrava da prefeitura, nunca mais vi TV de dia, né, benhê?