Você que me lê, me ajuda a nascer.

quarta-feira, fevereiro 17, 2010

Aviso.

Só para quem se interessa: Jair Rodrigues no Bar Brahma custa cinquentinha. Demônios da Garoa custa sessentinha. Estranho como é mais caro ouvir Demônios da Garoa - que por sinal recebeu Guiness por recorde de ser o grupo de samba há mais tempo junto (por que será, né?) -, um conjunto formados por "sambistas" brancos do que ouvir Jair Rodrigues, que deveria ser considerado lenda viva. Ou você acha que alguém iria ao Japão e acharia legal ver um grupo de argentinas vestidas de gueixas? No Brasil, é natural. E não é esquizofrenia cultural. Ih, até rimou. E olha que nem vou falar do bar, para não ficar chata.

2 comentários:

Anônimo disse...

O Brasil não é o Japão. Aqui há muita miscigenação e é comum termos brancos executando músicas inventadas por negros e vice-versa.

Migh Danae. disse...

Eu não disse que o Brasil era o Japão, babe.
Mas agora digo que em nenhum outro lugar do mundo tanta "mistura" - odeio essa palavra, mas tou com pressa - assim foi feita. O problema talvez nem seja esse. Mas quem acaba perdendo com tudo isso. Essa é a questão.