Você que me lê, me ajuda a nascer.

sábado, janeiro 31, 2009

1989.

Caçando o que fazer, fui mexer nos diários e encontrei um de quando eu tinha nove anos, 1989. Num dia lá de outubro escrevi hoje foi dia de eleição. mainha e painho votaram no Lula, mas parece que ele não vai ganhar. mas quem disse que a gente tem que votar em quem ganha? tem que votar em que a gente acredita. collor tem o apoio da rede globo, mas de mil funcionários trabalhando para a campanha dele. o nome do dono da globo é roberto marinho. Não acredita? Vem aqui em casa que te mostro o diário.

Pra sempre.

Vou embora, mas nunca nem fui. Fui embora, mas nunca nem vou. Nunca fui muito com a cara de Daniela Mercury, vai saber por quê. Acho chata, metida a gás com água, como diz mainha (não me peça pra explicar nada). Mas hoje ela deu um depoimento bem legal na tv' aqui da Bahia, uma pena que não passou pra todo mundo do Brasil. Perguntada sobre religião, ela disse eu não tenho nenhuma religião assim, mas vou no Gantois e gosto muito, quero ter mais tempo para me dedicar. é importante que se diga, o candomblé é um lugar maravilhoso, se diz por aí que temos 365 igrejas na Bahia, mas as pessoas esquecem de dizer que temos mais de 3.000 terreiros de candomblé, isso não é pouca coisa não. tudo é candomblé, todo aquele batuque foi ressignificado e transformado nesses sons que conhecemos agora, o samba, o pagode, esses blocos afro... o que é tudo isso se não candomblé? Gostei dela, que pra arrematar falou não deve haver diferença entre brancos e negros, a questão de não haver ainda oportunidade igual para negros querem justificar por conta da escravização, mas isso não pode ser usado como desculpa para que até hoje continuemos mantendo o fosso racial Mais ou menos isso. Pronto. Continuo não gostando tanto dela, continuo sem saber por quê, mas agora eu a respeito.

terça-feira, janeiro 27, 2009

Buá.

Por onde começo? Dizendo que sim, eu sou uma moça difícil. Que facilito tudo, dez prestações e depois eu vazo, vou embora, nem olho pra trás. Ouvi isso de um amigo, fiz cara de espanto, mas aqui dentro eu já sabia. Agora tem mais esse. E aquele, e aquele de sempre. Não sei direito o que fazer, as mãos têm cinco dedos e eu queria parar de contar as vezes em que fugi das coisas. Os dedos das mãos acabam, eu conto no pé, eu não paro de contar, invento classificações absurdas e não paro de contar. who cares? Você e eles e elas poderiam dizer, mas tem gente que liga. Eu ligo.

quinta-feira, janeiro 22, 2009

Mãe Jaciara.

Vendo Mãe Jaciara falar, eu me arrepio toda e me orgulho de ser mulher, nascida e criada na Bahia, em tantos lugares daqui. Mulher negra que sabe que é forte é muito mais forte que mulher negra. Sai de baixo. Ou venha pra cima. Mas só se aguenta. Dei um abraço nela, ela me deu um abraço, me beijou. Dos dois lados.

quarta-feira, janeiro 21, 2009

Tango crioulo.

Assista Café dos Maestros e aprenda: um dos tangos que a tal Virgínia Luque canta se chama Orgulho Crioulo. E em muitos deles a palavra crioulo aparece como adjetivo de moços e moças apaixonadas, ao lado de morena, moreno. Tu vai na Argentina e as pessoas querem fazer desaparecer o elo que existe entre a formação do povo argentino e a África. Uma pena. Aí depois vem uma cantora uruguaia, Lágrima Rios e diz o tango tem muito a ver com o candombe É ela mesma quem diz que seu marido a chama de negra, quando quer dizer meu bem. Aprenda a assistir filme, mesmo quando ele não é feito para nós.

Biquíni de bolinha.

terça-feira, janeiro 20, 2009

Coragem.

É preciso ter coragem Para ter na pele a cor da noite Cabaré da Raça, dia 16 de janeiro. Eu chorei.

sábado, janeiro 17, 2009

Sinuquerìa.

São Tomé de Paripe.

Eu pivetinha, tu imagina, ia na praia de São Tomé de Paripe e ficava lá, de boresta. A água batendo no pescoço, eu pequena, a praia parecia o mundo inteiro. Voltei lá e a água não me passa das coxas. Mas o sabor do mar, catar conchinha atrás das pegadas de mainha - a senhora não viu essa bitelona aqui? - continua lá, e eu senti, continua aqui. No jeito de andar, no rebolado pra escapar das dores de partida, nas conversas e no sol que ainda brilha - lá em cima, e no meu coração.

Foto de Heloíse Domingues

domingo, janeiro 11, 2009

Dia de bode.

Bodeando na frente da internet. Não quero escrever nada. Queria escrever trechos do livro sobre a vida de Miguel Arcanjo, livro que estou lendo, mas não quero. Procure e leia. E li todos os quadrinhos da Marjane Satrapi e chorei mesmo, por que eu choro com essas coisas. Mas não choro por amor faz tempo. Uns 55 dias, para ser sempre exata. A vida é feita de escolhas. Tem uma hora que eu penso que eu vou escolher pouco amor e me contentar pra sempre, sem reclamar. Tenho medo dessa hora e penso que nunca vou escolher pouco amor e vou morrer sozinha. Tenho medo dessa hora também.

sábado, janeiro 03, 2009

Cena.

Quando uma cena de cinema acontece na sua frente e com você, tu lembra na horinha ou só depois de muito tempo? Pense nisso.

sexta-feira, janeiro 02, 2009