Você que me lê, me ajuda a nascer.

quarta-feira, outubro 24, 2007

Boca do sapo.

Quanto mais o tempo passa, mais eu não acredito. Continuo viva. Sem mais nada, só coragem e luta. Nem mandiga eu tenho tempo de fazer. Como diz um provérbio de Tzangara, povoado africano: Saudade de um tempo? Tenho saudade de haver tempo. Do nada eu fico me lembrando. Do nada eu choro. Mas continuo viva, agora viva duas vezes e mais do que nunca cheia de forças, por que preciso, não que eu só queira, eu preciso continuar, tenho vários sentidos pulsando e só um por viver, por isso vale todo o sacrifício do mundo, o sacrifício vira prazer para ver um só sorriso despontar, brilha tudo e aquece coração.

2 comentários:

Paula disse...

Força é a palavra de ordem!
Stammi bene.
Beijo

Migh Danae. disse...

Sempre força!