Você que me lê, me ajuda a nascer.

sexta-feira, junho 16, 2006

Um avião chamado Desejo.

Adoro filmes com frases feitas. Daquelas que grudam na cabeça. Aprendi uma. Perguntam pra mocinha: - Mas como ele é?, o carinha com quem ela havia se casado. E ela: - Não se pode descrever quem se ama. E não é que é mesmo? Qualquer descrição, por mais objetiva que ela seja, se é que é possível fazê-la assim despida de subjetividade, estará eivada de paixão. Daí me peguei pensando em como eu descreveria o homem que eu amo. ... Deixa pra lá. Tenho pessoas especiais na minha vida. Que bom, todo mundo tem. Mas as minhas são mais. Aha. Tenho pessoas que me ajudam a enxergar quando tá tudo escuro, chato e sem vida. Quando um dia parece só mais um depois do outro. Suichidou. E eu? Putaquepaliu, não vou nada beeeeem.

2 comentários:

grace disse...

É...descrever as coisas aumenta a saudade.Chato, né? Mas, as lembranças de amor são indescritíveis e únicas.

Migh Danae. disse...

Verdade...