Você que me lê, me ajuda a nascer.

sexta-feira, maio 19, 2006

Aniversário.

Não gosto de fazer aniversários pares. 22, 24, 26... eca. Eca mesmo. Adoro ter 25. Nossa, perfeito. Migh-25. Mas daqui a pouco terei 26 anos, coisa mais chocha. Tudo isso só pra dizer que a muié que eu amo, minha mió amiga, fez ou tá fazendo 27 hoje. Acho que gosto mais dela hoje. Ahn... acho que não, gosto do mesmo jeito, só descobri essa semana que ela é mais que importante por me fazer importante, sou egoísta por isso? Não, mas acho que no fim das contas a gente vive pra se fazer especial na vida das pessoas, então eu tou feliz por saber que ela me acha especial, assim como ela é pra mim. Parabéns, né? Se vocês não sabem, vou ensinar: de tanto pegar ônibus e metrô, eu sei tudo sobre eles, tudo mesmo. Olha as dicas: - Se você está mesmo cansada, e quer sentar mas o buzão tá cheio, dê uma olhada geral nas pessoas que tão sentadas. Se no meio do caminho tem um hospital pediátrico, tente ficar perto de pessoas que estão com crianças. Melhor ainda se elas seguram o seu livro ou bolsa. É a certeza que o lugar será seu mesmo, assim que ela levantar. Claro que não funciona sempre, mas se você vir duas mulheres com crianças, melhor ainda, quase sempre uma delas vai descer. - Sim, eu dou o lugar para os/as velhinhos/as, se eu estou sentada no lugar deles. Mesmo que não esteja. Mas se tem muito mais gente sentada no lugar deles também, homens por exemplo, eu ENTENDO que eles devem levantar primeiro do que eu, mesmo que isso não aconteça quase nunca. Gosto de homens cavalheiros. Então, se naquele dia você está muuuuito cansada e você sabe que naquele horário sobem uns/umas velhinhos/as, mas velhinhos/as MESMO, se tem uma criança de uns 4 ou 5 anos perto de você e a mamãe dela está em pé, ofereça-se para segurá-la. Batata! Se um/a velhinho/a subir, você sempre será a última a ter que levantar. Mas nada de fingir estar dormindo pra não dar lugar pra eles/as, hein? Eu sou politicamente correta. - Muito se fala sobre onde se sentar para evitar um possível assalto. Eu já passei por experiências mil, mas nunca fui assaltada. Pura sorte. Na frente ou atrás, se o cara tiver num dia ruim, ou melhor, se tu tiver num dia ruim, tu vai rodar, não tem muito o que fazer. O legal de andar com livros é que você sempre fica com cara de estudante, e todo mundo sabe que estudante não tem dinheiro. Mas isso também é bobagem. Na hora, na hora mesmo, ninguém sabe o que fazer. - Sim, conversar com cobrador sempre pega mal. Com motorista também, por mais educada que você esteja sendo. Todo mundo do ônibus vai te olhar com aqueeela cara se você der um sorrisinho, mesmo sem maldade nenhuma. Eu normalmente converso muito pouco com eles, mas acontece de qualquer um se achar no direito de me perguntar "vai pra onde?", que é o jeito mais idiota de um cobrador puxar papo. Tento continuar educada, mesmo com vontade de responder "que te importa?". - Quando você pede informação pro cobrador de onde quer descer, tenha em mente que ele pode não lembrar de você, então é importante que se você não conhece MESMO nada do lugar, sente na frente dele, e, se não tiver lugar, prefira ficar em PÉ do lado dele, mas não o deixe perder de vista. Se você tem idéia de onde vai, vá para perto dele quando imaginar que está perto. Sempre funcionou comigo. Se eu lembrar de mais alguma, eu escrevo aqui. Blé.

3 comentários:

Anônimo disse...

Quando me perguntam quantos anos tenho logo depois de fazer aniver, me cafundo toda.
Mas aí penso, uma árvore pode viver uns 200 anos. Queria eu ser un'albero? Talvez não. Minha condição humana jovem-velha se faz eterna quando escrevo, e se faz infinita e universal quando toco guitarra. É, parabéns pra nóis. Perché è da quando si nasce che s'invecchia.
bejus
F#

Migh Danae. disse...

Boba e vecchia.

grace disse...

Eu tou loca pra sair dos meus 26 e com medo dos meus 30, fazer o que de 4 em 4 tem copa no país do carnaval.